Cepan dá início a ações de restauração florestal na região da Chapada do Araripe

Postado em 15/03/2021

Áreas selecionadas nos municípios de Crato e Nova Olinda (CE) representam primeiros territórios a receberem intervenções de restauração ecológica rumo à recuperação 100 hectares na região

Cinco propriedades rurais nos municípios do Crato e Nova Olinda, no Sertão do Ceará, têm recebido, desde fevereiro, atividades de restauração ecológica pelo Centro de Pesquisa Ambientais do Nordeste (Cepan). São as primeiras restaurações realizadas através do projeto “Recuperação de Áreas Degradadas na Chapada do Araripe”, que seguem até abril, marcando o início oficial dos trabalhos executivos no interior da Área de Proteção Ambiental (APA) Chapada do Araripe e no entorno da Floresta Nacional (FLONA) do Araripe-Apodi”.

Totalizando 13,73 hectares, os territórios foram eleitos como prioritários para receber as ações seguindo orientações estratégicas dos Planos de Recuperação para Áreas Degradadas (PRADs) confeccionados pelo Cepan, após meses de estudos e análises. Cada área trabalhada conta com um planejamento próprio, levando em consideração características e necessidades particulares de cada localidade. 

No Crato, as reservas Oásis Araripe e Oásis Araripe II, da ONG Aquasis, instituição parceira do Cepan no projeto, são duas das cinco áreas beneficiadas. Conforme interesse dos gestores das propriedades, o Cepan tem trabalhado na implementação de sistemas agroflorestais – que promovem o plantio de espécies nativas do bioma local em harmonia com produção de cultivares agrícolas sustentáveis – e condução da regeneração natural – com ações para auxiliar a vegetação a se recuperar naturalmente. A produção de mudas e insumos para as atividades conta com apoio de profissionais próprios da região da Chapada do Araripe.

As intervenções nas reservas da Aquasis incluem ainda atividades de enriquecimento e adensamento, práticas que também serão levadas ao Sítio Araçá, também no Crato. Na técnica de enriquecimento, são plantadas espécies estratégicas para aumentar a riqueza e a diversidade em áreas com alguma presença de vegetação. Já no adensamento acontece a introdução de espécies de rápido crescimento e cobertura, a fim de auxiliar na regeneração natural e impedir o crescimento de espécies indesejadas. Os trabalhos vêm sendo realizados em parceria técnica com profissionais da Aquasis, que, sob a orientação do Cepan, somam esforços nas atividades de campo. Saiba mais sobre as técnicas.

Nas demais propriedades – Serra do Minguiriba (Crato) e Sítio Sozinho (Nova Olinda) – serão trabalhadas técnicas de condução da regeneração natural por meio do cercamento, para impedir acesso de animais pastejantes (gado bovino e caprino) e promover o controle de espécies exóticas invasoras. As cinco propriedades são as primeiras de um total de 17 já mobilizadas pelo Cepan, que compõem uma extensão de 25,63 hectares a ser restaurada. Espalhadas por seis diferentes municípios entre Ceará e Pernambuco, com tamanhos variando entre 0,3 e 6,14 hectares, as propriedades de pequeno porte foram setorizadas em cinco grandes grupos para otimizar as restaurações. 

Para as primeiras intervenções, o Cepan priorizou propriedades com alto potencial de regeneração natural, que apresentaram alguma cobertura vegetal nativa ou ainda proximidade com fragmentos florestais. De acordo com Emanuelle Souza, analista de projetos do Cepan que acompanha as atividades, foi preciso entender o contexto de paisagem da localidade para aprimorar as ações. 

“A partir de um mapeamento das propriedades mobilizadas, fizemos a divisão delas em grupos com territórios próximos uns dos outros. E optamos justamente por iniciar a restauração no grupo que continha mais territórios e que concentrava uma maior extensão de área para recuperação”, aponta a bióloga. As intervenções ocorrem até meados de abril, aproveitando o período de estação chuvosa na região, e prosseguem com manutenções e controle de espécies invasoras durante a estação seca.

AS MOBILIZAÇÕES CONTINUAM – Devido à pandemia, o cronograma de atividades do projeto sofreu adaptações. O tempo de visitas em campo para mobilizar proprietários rurais interessados em aderir ao projeto foi reduzido, o que repercutiu sensivelmente na quantidade de áreas mobilizadas. Algumas intervenções executivas também foram comprometidas, devido à limitação do acesso a insumos e serviços da cadeia produtiva local, ainda por conta dos efeitos da pandemia. 

Em adaptação a esse contexto, o Cepan estabeleceu protocolos de segurança contra a Covid-19, a fim de manter a saúde de funcionários e atores envolvidos no processo. Para o primeiro semestre de 2021, a estratégia definida foi iniciar as ações de restauração ecológica e, em paralelo, continuar com a prospecção de fornecedores e produtores de insumos e serviços e também de proprietários rurais que queiram aderir ao projeto. Interessados podem sinalizar interesse fazendo contato por e-mail araripe@cepan.org.br ou pelo telefone (81) 99874-0185. 

O projeto de Restauração de Áreas Degradadas na APA Chapada do Araripe e na FLONA Araripe-Apodi é realizado pelo Cepan em parceria com a ONG Aquasis, com apoio do projeto GEF Terrestre, do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio) e financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), por meio do Ministério do Meio Ambiente e do Governo Federal. Saiba mais sobre o projeto.


Todas as notícias...