Formação com o Cepan fortalece restauração florestal no Vale do Paraíba

Postado em 21/12/2020

Em parceria com TNC Brasil e WRI Brasil, atores e instituições envolvidos em recuperação ecológica na região aprenderam mais sobre elaboração de projetos e captação de recursos

Lideranças e atores sociais envolvidos em restauração ecológica no Vale do Paraíba encerram o ano de 2020 com mais propriedade para elaborar projetos na temática. De forma inédita, o Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (Cepan), The Nature Conservancy (TNC Brasil) e World Resources Institute (WRI Brasil) desenvolveram e realizaram juntos uma formação virtual voltada especificamente a elaboração de projetos e captação de recursos com foco em restauração florestal nesta região.

Foram 20 horas de capacitação entre 14 de outubro e 12 de novembro, uma imersão virtual que fortaleceu competências e saberes na produção técnica de projetos de restauração em consonância com as especificidades observadas para a recuperação da Mata Atlântica do Vale do Paraíba, contemplando características e necessidades da biodiversidade local. A região enfrenta um processo histórico de degradação ambiental envolvendo atividades de mineração, agricultura e pecuária. 

“Foi a primeira vez que o Núcleo de Formação em Ciência & Tecnologia Ambiental do Nordeste formatou um curso dessa natureza voltado especificamente para a região. A experiência foi positiva e nos leva a pensar em novas possibilidades de aprendizado para esse cenário, a fim de potencializar a recuperação da vegetação nativa da região”, comenta Fabiane Santos, analista de projetos do Cepan que atuou na coordenação da iniciativa. 

O curso contou com 14 facilitadores que dividiram experiências e conhecimentos com 30 participantes, dentre integrantes da Câmara Técnica de Restauração Florestal do Comitê da Bacia Hidrográfica do Paraíba do Sul e da Rede de Atores da Restauração, representando, na capacitação, 23 instituições regionais como associações, centros de pesquisa, faculdades, institutos, prefeituras, secretarias, sindicatos, universidades e atores sociais atuantes na área.

As aulas trataram de temáticas de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos da Mata Atlântica; Fundamentos e Metodologias de Restauração; Uso de Sistemas de Informação Geográfica (SIG); Motivadores da Restauração; Captação de Recursos e Elaboração de Projetos Executivos de Restauração Florestal. Além da abordagem teórica, conteúdos complementares, atividades em grupo e dinâmicas facilitaram a apreensão dos temas de forma prática ao longo do curso, resultando no ganho de motivação e melhoria das habilidades técnicas para a proposição e execução de projetos de restauração florestal na região.


Todas as notícias...