Corredor Pacatuba-Gargaú: Cepan avança com restauração florestal na Paraíba

Postado em 23/12/2020

O Cepan chega ao fim de 2020 com 31 hectares de áreas em processo de restauração na Paraíba, tendo sido plantadas 110 mil árvores no corredor ecológico

O Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (Cepan) finalizou no último 17 de dezembro as metas de 2020 para restauração florestal e incremento de conectividade estrutural do Corredor Pacatuba-Gargaú, no interior da Usina Japungu, no Estado da Paraíba. Visando recuperar a biodiversidade da região, a instituição conseguiu implementar ao longo deste ano a recuperação de 31 hectares, com preparação do solo e plantio de 110 mil árvores de Mata Atlântica nativa. 

Os trabalhos iniciaram em março, com a primeira visita de campo, através da qual o Cepan iniciou um planejamento para recuperar, até 2022, 250 hectares de áreas degradadas no corredor que conecta as RPPNs Engenho Gargaú e Fazenda Pacatuba, restaurando trechos de Mata Atlântica nativa com vistas à melhoria na mobilidade de espécies da fauna e flora e nos serviços ecossistêmicos prestados. Através de geotecnologias, visitas e mapeamentos, a instituição elaborou um Projeto Executivo de Restauração Florestal (PERF), com metas de restauração via plantio de mudas, semeadura direta e condução da regeneração natural.

Apesar da pandemia da Covid-19, os trabalhos seguiram adiante respeitando protocolos de segurança e atingem neste fim de ano as metas previstas para 2020 – a facilitação do estabelecimento de 100 mil árvores (25 hectares) por meio de condução da regeneração natural; o plantio de 10 mil mudas (6 hectares) de mais de 40 espécies nativas; além de mais de 300 kg de sementes de mais de 50 espécies nativas já coletadas e beneficiadas, e que agora aguardam para serem semeadas em 2021.

“Para ano que vem, a meta é realizar o plantio de 210 mil árvores (50 hectares) via semeadura direta, além de 50 mil árvores (30 hectares) via plantio de mudas até o final da estação chuvosa, aproximadamente no mês de agosto”, comenta Fabiane Santos, analista de projetos do Cepan à frente da iniciativa. Segundo ela, esta será uma das maiores metas em restauração ecológica da instituição em 2021, envolvendo grande quantidade de insumos e atuação estratégica de equipes em campo. 

“Os parceiros de campo já estão em plena ação no território, tanto nas atividades de prospecção de novas áreas para restauração, coleta e beneficiamento de sementes e, também, na produção de mudas nativas – seguindo os devidos protocolos de biossegurança frente à pandemia de Covid-19”, detalha a bióloga. O projeto do Corredor Pacatuba-Gargaú é realizado pelo Cepan em parceria com a startup alemã Ecosia e as empresas Japungu Agroindustrial e Eco Ocelot.


Todas as notícias...