Experiências em Restauração

  • I Curso Prático para Viveiristas Florestais do Corredor Nordeste de Biodiversidade realizado pelo Cepan em parceria com a Destilaria Miriri/PB - Abril/2011.
Veja mais

Conversando sobre Restauração Ecológica

15 anos de Cepan!

Por Severino Rodrigo Ribeiro Pinto

Criado no ano de 2000, o Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (Cepan), talvez, tenha sido uma das principais inovações para a aplicação/criação de uma agenda de conservação da biodiversidade atuando em diferentes frentes de trabalho na região Nordeste. O nosso querido Cepan foi fruto de uma visão, ainda muito carente no Brasil, de junção entre a motivação de um grupo de estudantes de pós-graduação e do conhecimento de professores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) para repaginar o modo de pensar e atuar a pesquisa científica e o estabelecimento de parcerias para a região mais carente do Brasil.
O Cepan durante os seus 15 anos de vida (recém completos) quebrou barreiras, formou pessoas, influenciou e induziu políticas públicas ambientais utilizando como a principal bandeira o conhecimento científico. E essa bandeira continua a ser levantada em todos os projetos, cursos, seminários etc., onde a instituição atua. Por muitos anos, o Cepan funcionou dentro de uma salinha, denominada, carinhosamente de “aquário” no magistral Laboratório de Ecologia Vegetal. Vários personagens importantíssimos dedicaram seu tempo e conhecimento, em grande parte, de maneira voluntária para a consolidação do Cepan por acreditarem na causa defendida e, principalmente, por enxergar a importância da instituição para a Região Nordeste.
Seguindo a linha dos personagens, fica aqui o agradecimento explícito para a Conservação Internacional (CI) que durante muitos anos apostou na agenda defendida pelo Cepan e nos ajudou a criar o conceito e os estudos necessários para o que denominamos de Corredor de Biodiversidade do Nordeste. Durante essa parceria histórica foi estabelecido um dos principais projetos do Brasil para o entendimento dos efeitos da fragmentação e perda de habitats e suas consequências para a dinâmica de funcionamento de remanescentes de floresta Atlântica denominado de Projeto Serra Grande. Projeto que além de pioneiro no que se propôs a entender foi corajoso e ousado o suficiente para quebrar uma visão distorcida entre parcerias entre a iniciativa privada e o terceiro setor.
Nesses 15 anos completos fica difícil listar as pessoas e instituições para agradecermos, pois são muitas. O que deixamos de recado aqui e, o que, acreditamos ser o principal agradecimento para os nossos apoiadores, parceiros e admiradores é o compromisso incansável com a defesa do meio ambiente da Região Nordeste levantando a nossa bandeira do conhecimento científico como principal forma de se conservar a natureza e lutar pela qualidade de vida do nordestino.  Como diz uma pessoa que admiro muito e que foi fundadora do Cepan: Pau na máquina!
 

(0) comentários

Próximo >>